terça-feira, outubro 30, 2007

PORQUÊ ?

PENSAMENTOS DO DIA

Um casamento feliz é uma longa conversa que nos parecerá sempre demasiado curta.

(André Maurois)

A coisa mais importante que um pai pode fazer pelos seus filhos é amar a mãe deles.

(Autor desconhecido)

* * ** * * * * * * * * * * * * * * * * **

Ando triste e preocupada.

Nem sempre a vida nos dá só coisas boas, que nos alegram o espírito e aumentam o nosso ego.

Muitas vezes a vida é madrasta e prega-nos muitos sustos.

Contudo, começo a ficar bastante preocupada com determinadas coisas que acontecem, com as quais eu não tenho culpa nenhuma, mas que, mesmo assim, me causam uma profunda tristeza (para não dizer: uma profunda mágoa).

(Antigamente)….

Ou eu andava mesmo muito distraída, ou….nada era como agora…

Isto vem a propósito dos variadíssimos ( e cada vez maior número) de casos de mães que maltratam os filhos, os espancam e, por vezes acabam por os matar, ocultando os cadáveres (ou até guardando-os na arca congeladora).

Já nem sei se :

“O amor de mãe é o maior amor do mundo”.

Por vezes chego a duvidar disto que eu considerava como sendo uma profunda verdade, seja, nos tempos modernos, justamente o inverso.

O que pode fazer com que uma mãe não ame os seus filhos, os maltrate e os despreze?

Não consigo achar nenhum motivo demasiado forte que o justifique.

Fui educada com determinados princípios.

O conceito de família era algo muito importante.

Pela lógica, seriam pessoas que se amavam, respeitavam, e que se ajudavam uns aos outros. Havia respeito e cumplicidade . Para o bem e para o mal…era a eles que primeiro recorríamos em caso de necessidade.

A mãe (e o pai) defendiam, protegiam e acarinhavam os seus rebentos (tivessem eles a idade que tivessem).

Eram pessoas unidas!

Hoje…

Porque será que cada vez há mais violência doméstica?

Porque será que a maior parte dos filhos não respeita os pais ?

E….sobretudo: o que leva uma mãe a matar um filho?

Cada vez há mais notícias a dar-nos conhecimentos destes casos.

Alguns têm mesmo requintes de malvadez!

Infelizmente, o número aumenta drasticamente, hora a hora, dia a dia.

Como é possível que os pais sejam coniventes com estranhos (alguns pedófilos), a quem oferecem os filhos em troca de míseros patacos?

Será que a dissolução de tantos casamentos afecta o normal relacionamento com os filhos, dado que as pessoas ao iniciarem novas relações, talvez, nem sempre aceitem bem os filhos da outra parte?

Não posso aceitar isto como uma desculpa!

Por tudo isto, ando muito apreensiva!

Será que o conceito família perdeu todo o valor?

Os pais já não amam os filhos?

Os filhos já não gostam dos pais?

Será isto uma evolução normal e vulgar destes tempos modernos?

Não sei!

Não acho respostas condignas para tantas perguntas que deixo a mim própria…




23 comentários:

Miss Slim disse...

Olá, compreendo e partilho a tua indignação e frustação, perante tamanha atrocidade.

Infelizmente este mundo está cada vez pior - No entanto se todos fizermos um pouquinho, talvez seja possivél alterar certas situações -O mal é que há poucas pessoas a tentar...

Cada vez mais o Mundo está egoista e mau.


♥•.¸¸.•♥´¨´♥~•.¸¸.•♥´¨´♥•.¸¸.•♥´¨´♥´¨´♥

.....@@.........
...@(´;´)@......
0==/--\\==0.....
.../_!_\\..........
..._| |_.......
BeijuLuzzzzzzzz

♥•.¸¸.•♥´¨´♥~•.¸¸.•♥´¨´♥•.¸¸.•♥´¨´♥´¨´♥

susana disse...

Nao te consigo ajudar a compreender porque tambem nao compreendo.
Já nao sei de que sentimentos, impulsos, motivos, são feitos os laços das relaçoes que se vivem. É incrivel como estas coisas acontecem e votam a acontecer.

Há amor? É por amor? Onde está ele?

Cuidar das pessoas que temos perto, estar atentos às outras e abrirmo-nos à possibilidade de "chegar" mais aos outros.

Espero que este periodo de tristeza e preocupaçao que vives se revele curto.
Com carinho, susana

maria-joão disse...

Eu costumo dizer que cada vez há mais gente maluca.
Mas a verdade é que nem o ser maluco justifica certas coisas.

ccva disse...

Pois é eu sinto o mesmo que tu... não sou mãe mas sou filha. Amo os meus pais e sou amada por eles, mesmo eles sendo separados nunca me faltou amor e não sei o que é isso. Como diz a miss slim o Mundo esta egoista e mau...
Beijinhos

Gata Verde disse...

Também ando angustiada com a sociedade moderna. Outra coisa que tenho reparado é a falta de amizade que existe ultimamente mesmo entre aqueles que se dizem amigos. Porquê?

Gata Verde disse...

(esquecia-me de dizer que vi o papa sim senhor!!!)

Beijos

aXifas disse...

É assustador os casos que veêm a publico de maltratos e abusos a crianças. Também se torna recorrente saber de crianças que ganham poder em relação aos adultos (falo dos professores).

Anda-se a perder o respeito e consideração pelo ser humano, a todos os niveis, e como alguem já referia, nem as amizades escapam.

Pertenço a uma geração onde soube de historias sobre a opressão imposta aos nossos pais e pertenço à mesma geração que dá liberdade total aos filhos. Não há meio termo... é dificil alcançar o meio termo...
E tudo isto angustia, moe, satura...

kuka disse...

Não tivemos bons principios. Com um irmão a matar o outro (segundo a biblia), isto não podia dar boa coisa.

O Chaparro disse...

nem sempre as evoluç~es seguem no caminho certo.
infelizmente é pena.
bom resto de semana

Mamã Martinho disse...

Partilho das tuas perguntas. Muitas vezes penso exactamente o mesmo que tu. A única resposta que encontro é que hoje em dia as pessoas devem estar doentes psicólógicamente. Para mim que sou mãe não consigo imaginar outra forma para o que algumas fazem..

Mónica

Bichodeconta disse...

Se um dia tiver coragem, contarei, desde quando sei, que há mães que não gostam dos seus filhos... Ou pelo menos desde quando eu sinto isso na pele.. Espero continnuar a amar a minha filha, e a ter o amor dela.. Um abraço..

Dharma disse...

Não acredito que o conceito de família, tal como o concedemos, venha a perder valor, acho sim, sempre achei, que muita gente que por aí anda deveria ser, simplesmente, proibida de ter filhos. Há os "fazedores" de filhos e quem constrói famílias. Maltratos e violência sempre houveram mas parece que agora a comunicação social só foca isso em detrimento, talvez, de uma realidade social e estrutural que cada vez apetece mais calar. Desviam-se as atenções de outras coisas importantes. Dá-se ao povo o que o povo quer ver e ouvir, pensando nas desgraças dos outros não vemos as nossas... Ao assistir um destes dias a um noticiário de um canal televisivo fiquei abismada: começou por acidentes de trânsito e continuou por ali fora, num desfile de desgraça alheia impressionante. Será que nos querem anestesiar com informação deste tipo?

Acho que me estiquei no comentário... Vou-me, beijo-te e desejo-te um bom feriado. Até depois.

Ana Garras disse...

Tens razão no que dizes menos numa coisa.

Eu amo mais do que tudo a minha filha e ela respeita-me porque lhe ensino a ter respeito por mim, assim como tenho respeito por ela, apesar de ter 6 anos acho que tb é minha obrigação respeitá-la.

Também a ensino a amar e uma das coisas que sempre digo a ela e todos os dias é que a amo muito e ela retribui dizendo que também me ama muito até ao Sol.

Estas coisas ensinam-se! E aprendem-se!

Se os pais não dispensarem um pouco do seu tempo para lhes ensinarem isso não terão retorno.

Os pais andam demasiado preocupados com o ver a televisão e descansar porque trabalharam todo o dia. Então e tempo para os filhos? Não os quiseram com tanto amor? Ou será que não?

Quem os tem porque os quer tem o dever e a obrigação de os ensinar.

Quem os tem porque aconteçeu ou porque foram violadas, então bendita a hora que veio a legalização do aborto! Porque nem não os quer, que não os tenha para não os maltratar mais tarde, porque são filhos indesejados.

Acredito que uma Mãe que seja verdadeiramente MÃE ame e nunca maltrate os seus filhos. As que maltratam não são mães mas sim animais.

E tenho dito

Mucha disse...

sempre existiram estes casos. na minha opinião partem de pessoas desiquilibradas. o que não havia era conhecimento desses casos. é uma tristeza!!!
quanto ao segundo pensamento do dia, não concordo nada!! acho que o mais importante que um pai pode fazer a um filho, é am~-lo, e, sim, respeitar a mão. agora, amá-la....não acho que seja o mais importante... no entanto, se assim for, tanto melhor!!
bj

Alexandre disse...

Excelentes ensinamentos, se todos os seguíssemos tudo seria bem melhor! Se conseguirmos ir praticando alguns vá lá, vá lá!!! Já não é mau, neste mundo cruel!

Muitos beijinhos!!!

Juanita disse...

olá

cada vez que oiço uma noticia do genero pergunto-me a mim propria como é possivel??!!
fico parva, não consigo compreender como mães ou pais podem fazer mal aos seus proprios filhos...não acho que seja normal e nem tão pouco que seja da "evolução" pelo contrario acho que isto é recuar e muito!!
as pessoas hoje em dia maltratam outras simplesmente sem razão, não há respeito!
eu sou mãe e para mim o meu filho é tudo!! posso ralhar, barafustar, gritar,e dar até uma palmada (que depois fico a remoer mas...), mas se pudesse dava a minha vida pelo meu filho, e fazer mal...nunca!!

beijos

Gioconda disse...

Sempre interessante este teu blog... ando ao tempo para vir aqui buscar umas ideias de passeios mas tenho andado sem tempo e alem disso o meu computador anda meio parvo, hoje calhou tirar o serão para visitar alguns blogs e logico que o teu foi um deles, mas acho que ainda não vai ser hoje que vou tirar os tais apontamentos.

Adorei a foto com o conteúdo da mala lembrei-me logo da minha porque terá sido? ehehehehe

Tambem quero passar ainda no petiska... e quanto ao que escreves hoje, faço a mim mesma as mesmas perguntas diariamente.

Bolota disse...

Pois é, querida Turbolenta... o mundo anda assim... partilho contigo a angustia, a preocupação e a tristeza, mas isso sempre aconteceu e vai continuar a acontecer pois, como diz o ditado "Dá Deus nozes a quem não tem dentes" e as pessoas que conseguem maltratar um filho, não são dignas de serem chamados de pais... são monstros que foram criados por outros monstros, que foram criados por outros monstros... só que, antes, não havia acesso a tanta informação nem divulgação e os casos eram muito "abafados"...
Utilizando as palavras da framboesa, o Mundo está egoísta e mau, mas... sempre esteve... acho eu...
Como Mãe, não concebo a ideia de fazer algum mal a um inocente... Concordo com uma palmada no momento certo, confesso que nunca pensei que fosse tão difícil educar uma criança, muitas vezes, apanho-me a levantar demasiado a voz... as crianças têm força suficiente para tirarem um adulto "do sério", mas é por isso que somos adultos, para sabermos contornar e controlar as situações, sem chegar a extremos...

Acho que divaguei um pouco... mas é um tema que me incomóda muito e que gosto de discutir.


Bjos :o)

Zen disse...

"Tu perguntas e eu não sei./Eu também não sei o que é o mar." Eugénio de Andrade

Um abraço, Zen

susana disse...

ola!
Bom imaginar-te na feira de Santarem a observar os ovos moles :)
Espero que tenhas motivos para te sentires menos triste. Mais uma semana nova pela frente para bem levar pela frente...
Um beijinho*

Ana Sofia disse...

há d facto determinadas atrocidades k n csg compreender. Tnh um filho a kem jamais pensaria infligir maus tratos e n csg compreender cm alguém o pode fazer. Pedofilia aflige-m d tal ordem k s algum dia acontecexe na mnha família faria justiça plas mnhas pps mãos inflingindo a >dor poxível ao filha da mãe. e uma mãe k xga inclusive a matar os pp filhos, p mim seria altamnt castigada (e não m vnham falar d direitos humanos relativamnt a gente desumana). Causa-m sofrimnto, saber k vivemos num mundo atroz sem valores e em k aspxoas perdem a razão...

Juanita disse...

então onde andas????

beijocas

ximiusa disse...

entender isso nao se entende.
mas as pessoas não sao todas boas nem más.
nada tem dskpa, nada k nos faça afectar outros.
olha n sei o k dizer, assuta-m é k já começe a ser banal coisas dessas.