quarta-feira, dezembro 05, 2007

HISTÓRIA DE NATAL - PARTE II



No post anterior sobre este assunto, disse não ter descoberto da melhor forma que as prendas não eram trazidas pelo Pai Natal.

Foi no ano seguinte.

Andava na 2ª classe. Os meus pais tinham mudado de casa e fui para outra escola., às portas de Lisboa. Era um bairro novo, pequeno, com prédios de 3 andares e com poucas lojas.

A caminho da escola passava, todos os dias por uma montra que tinha expostas coisas que me despertavam a atenção.

Sempre que por lá passava parava.

Perdi-me de amores por umas meias de lã, brancas, arrendadas. (Foi nesta altura que apareceram os primeiros collants para crianças).

E no dia de Natal, bem cedo, lá fui eu, direitinha à chaminé.

Nem todas as prendas eram do meu agrado. Como, por exemplo: uma pasta para a escola (a da 1ª classe ainda estava boa e desde Outubro que andava com ela).

Não sei se alguém se lembra , mas era daquelas rígidas, castanhas, todas debruadas a latão e com a pega plastificada.

Uma caixa de lápis de cor.

Um livro para pintar e outro de histórias.

Estes apetrechos vinham dentro de uma mala plastificada, de cor amarelada.(um luxo para a altura)

E, mais ao lado, dois embrulhos com grandes laçarotes.

Num uma camisola branca de lã.

No outro: maravilha das maravilhas….. os tais collants brancos a condizer com a camisola.

Fui logo ver se me serviam.

Eram mesmo à medida.

Perguntei: Oh mãe! Como é que o Menino Jesus sabia o meu número?

Não me lembro da resposta.

O pior aconteceu quando, passado um bocado, aparece na varanda do prédio em frente, o Zé Joaquim.

Trazia todos os presentes e, pendurado na varanda, chamava pelo vizinho do lado.

Lá veio o outro com tudo o que recebera e eu…. Com a tralha na mão, cá deste lado gritava:

Zézito….olha o que o Menino Jesus mandou pelo Pai Natal.

Os outros, espertalhões, começaram a rir-se e a gritar: não foi não!....foi a tua mãe!

Pego nos meus haveres, venho para dentro de casa, atiro com eles para cima da cama e, a chorar, confrontei-a com a questão.

Ela disse que sim…que fora ela que comprara tudo. Por isso as meias eram o meu tamanho!

Chorei tanto naquela manhã!

14 comentários:

susana disse...

ola!

Sabes, saber como as pessoas descobriram que o pai natal nao existe delicia-me :) porque eu nao sei como foi comigo.

Ja tenho árvore de natal e presepio nos meus dois lares :). É Natal, é Natal!

Mamã Martinho disse...

Que pena, ainda mais por ter sido uma prenda da qual gostas-te tanto.

Bjs

Mónica

PS- Eu não me lembro de laguma vez ter acreditado no Pai Natal e quanto ao meu filho, ele tem algumas prendas que vêm pelo Pai Natal, mas a maioria sabe quem lhas dá

ximiusa disse...

a crueldade de uma manhã de natal.
pobre baby turbo nesse dia. mas já passou.
ponto ponto!
beijao

Mucha disse...

tambem me lembro do dia que soube que o Pai Natal nao existia. Não me lembro que idade tinha, mas lembro-me de perguntar ao meu pai porque estava a roupa do pai Natal engomadinha em cima da sua cama.... lol
gostei de recordar
bj

Ana Bastos disse...

ohhhhhh! esses vizinhos, que maus!!!Mas ganhaste as meias!!!
n me lembro como descobri que ele n existia!!! :(
bjinhu

Juanita disse...

olá

a 1ª desilusão...é a que custa sempre mais...

acho que hoje em dia os miudos já não acreditam no pai natal, e muitos nem nunca acreditaram...já não existe aquela magia de antigamente!

beijinhos

Mishi disse...

Oh.. que história triste. :(

Eu não me lembro sequer de acreditar no Senhor de barbas...

Beijinhos :)

Dharma disse...

Bela história, até fiquei a imaginar a cara da pobre pequena Turb-Ó-lenta, a reflectir a desilusão... Mas tiveste sorte, pelo menos os colants eram da tua medida :)
Beijinhos

Rafeiro Perfumado disse...

A minha irmã foi pior, já andava na 4ª classe quando os colegas gozaram com ela por acreditar no Pai Natal. Chegou a casa a chorar baba e ranho. Nunca mais foi a mesma, tadinha...

maria-joão disse...

Pudera... até eu fico triste e com vontade de chorar ao ler esta história. Parvalhões dos gaiatos, a culpa foi deles que não souberam sonhar. Eu também chorei quando soube que não havia Menino Jesus (é o que dizem, eu não me lembro), mas ainda hoje continuo a fazer tudo como se acreditasse.

Aninhas disse...

Meninos maus esses... Para mim por acaso não foi um choque grande, axo que me fui apercebendo lentamente, deve ser por isso!

Mas é muito bonita a magia nos olhos das crianças que acreditam!

Beijinho e bom fim de semana!

Framboesa disse...

...Eu ainda hj n fui confrontada c a ideia q o pai natal n existe...ainda n tive a prova percebes...n m lembro de nada nem ng me terem despertado...mas calculo o desgosto pq eu adoro o natal c td o m coração...ainda p cima a prenda q querias...

bjs compreensivos

Bolota disse...

É sempre uma grande desilusão...

Bjos :o)

lijiale disse...

The story is about a very small (wow gold)because the (wow gold)reasons for the (wow gold) expulsion Chushi doors have been forced to(wow power leveling) living on the United Kingdom, (wow power leveling)in abroad alone the people(wow power leveling) struggling for survival. A naturally do not (wow power leveling) agree with the ethical person. A war many of the cracks in the middle of the(wow gold) pursuit of hard power of (World of Warcraft gold) extreme people. A look at(wow power leveling) the friendship will be more important than the lives of people. The best of life, the best of the best stories or Long Road. Like Xiuzhen's friends must-see (Rolex)category.